Mulheres indígenas fazem ato em Brasília por mais direitos e contra 'marco temporal'

Grupo seguiu até monumento que homenageia índio Galdino, queimado e morto em 1997. Manifestantes também acompanharam julgamento no STF, nesta quinta-feira (9), sobre demarcação de terras

Mulheres indígenas acampadas em Brasília saíram às ruas, em marcha, na manhã desta sexta-feira (10), para pedir por "mais direitos" aos povos originários e reivindicar contra o chamado "marco temporal" (veja mais abaixo), que trata sobre a demarcação de terras, em julgamento no no Supremo Tribunal Federal (STF).

Às 9h, o grupo deixou a sede do acampamento, na Funarte, e saiu em marcha pelo Eixo Monumental e pela via W3 Sul. O destino é a Praça do Compromisso, na 704 Sul, onde um monumento homenageia o índio da etnia pataxó Galdino Jesus dos Santos, queimado vivo por cinco jovens de classe média, em 1997, na Asa Sul.

Por causa da marcha, a Polícia Militar interditou parte da via W3 Sul. O trânsito está sendo liberado à medida que os manifestantes avançam.

Segundo os organizadores, o grupo é formado por mulheres indígenas de 172 povos de diversas regiões do país.

n/d


Rádio Pelotense - AM 620 KHZ

  3222-4334

NO AR

Jornada Esportiva ou Final de Semana com o Sucesso

Ouvir agora

Desenvolvido por:

PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS