Covid-19 foi responsável por 200 mil mortes diretas e indiretas em 20 países

Apenas 167.000 óbitos foram oficialmente atribuídos à Covid-19

Imagem da InternetImagem da InternetFoto: Internet

A primeira onda da pandemia de Covid-19 foi responsável, em média, por 20% mais mortes, direta e indiretamente, que os números oficiais de 20 países ocidentais, normalmente observados em um mesmo período em anos anteriores - aponta um estudo publicado nesta quarta-feira (14).

 

Dezenove nações europeias, Austrália e Nova Zelândia registraram um total de "cerca de 206 mil mortes a mais do que o esperado, se a pandemia de Covid-19 não tivesse ocorrido" entre meados de fevereiro e o final de maio, informa este estudo de modelagem matemática, publicado na revista Nature Medicine.

 

Apenas 167.000 óbitos foram, porém, oficialmente atribuídos à Covid-19. A diferença, em torno de 40 mil mortes, pode ser atribuída à doença de duas formas. Diretamente, quando no início da epidemia os hospitais lotados não podiam testar sistematicamente todos os seus pacientes. E indiretamente, com falecimentos por outras causas, que a sobrecarga dos serviços de saúde não conseguiu evitar.

 

Inglaterra e País de Gales, bem como Espanha, parecem ser as nações mais afetadas, com um aumento de 37% a 38% na mortalidade em relação aos níveis esperados na ausência de uma pandemia - contra um aumento de 18%, em média, em todos os países analisados.

 

Seguem Itália, Escócia e Bélgica, enquanto França ocupa a 8ª posição, com um aumento relativo de óbitos de 13%. Um grupo de dez países, incluindo Austrália, Nova Zelândia, Hungria e Noruega, conseguiu "evitar um aumento perceptível nas mortes".

 

A doença causada pelo vírus Sars-Cov-2 causou diretamente mais de um milhão de mortes em todo mundo, de acordo com balanços oficiais.

 

Fonte: Correio do Povo


Rádio Pelotense - AM 620 KHZ

  3222-4334

NO AR

-

Ouvir agora

Desenvolvido por:

PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS