Ampliação do uso da cloroquina pode provocar mortes em casa, diz Mandetta

Resultados iniciais já indicavam riscos

Imagem da InternetImagem da InternetFoto: Internet 

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou que a ampliação do uso de cloroquina para pacientes com quadro leve do novo coronavírus pode elevar a pressão por vagas em centros de terapia intensiva e provocar mortes em casa por arritmia.

 

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Mandetta ressaltou que resultados iniciais de estudos que recebeu ainda no governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já indicavam riscos no uso do medicamento.

 

“Começaram a testar pelos [quadros] graves que estão nos hospitais. Do que sei dos estudos que me informaram e não concluíram, 33% dos pacientes em hospital, monitorados com eletrocardiograma contínuo, tiveram que suspender o uso da cloroquina porque deu arritmia que poderia levar a parada [cardíaca]”, explicou à Folha.

 

Para o ex-ministro, a pressão de Bolsonaro pela cloroquina é uma tentativa de estimular o retorno das pessoas ao trabalho. No entanto, Mandetta afirma que o país atravessou até o momento apenas 1/3 da crise e deverá ter pelo menos mais 12 semanas “duras” adiante.

 

“Tínhamos nos nossos estudos cenários de número de casos e óbitos. Nada do que está acontecendo hoje é surpresa para o governo federal”, ressaltou. Segundo Mandetta, o ápice da curva deve ser em julho. A redução no número de caso deve ocorrer em agosto. E em setembro “a gente volte no ponto mais próximo de uma coisa mais amena”.

 

Ele avalia ainda que a situação mais complexa hoje esteja no Pará. “É um estado que provavelmente vem agora com um número muito alto de casos, dobrando muito rápido e com sistema de saúde que vai ter que se desdobrar”, alertou o ex-ministro em entrevista à Folha.

 

Fonte: Isto É


Rádio Pelotense - AM 620 KHZ

  3222-4334

Desenvolvido por:

PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS