Toffoli pede a PF e PGR apuração do caso de advogado que abordou Lewandowski em voo

Cristiano Caiado de Acioli foi detido após se dirigir a Lewandowski

Imagem da InternetImagem da InternetFoto: Internet

 

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, pediu nesta quarta-feira (5) à Polícia Federal e à Procuradoria Geral da República (PGR) que apurem o caso do advogado que abordou o ministro Ricardo Lewandowski em um voo.

 

Nesta terça (4), o advogado Cristiano Caiado de Acioli foi detido após se dirigir a Lewandowski em um voo de São Paulo para Brasília e afirmar que o Supremo é uma "vergonha".

 

Para Dias Toffoli, Lewandowski foi ofendido e, por isso, o caso precisa ser apurado e os órgãos, tomarem as "providências cabíveis". O ofício de Toffoli é dirigido à procuradora-geral Raquel Dodge e ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a quem a PF é subordinada.

 

Nesta terça, o gabinete de Lewandowski divulgou a seguinte nota sobre o caso: "Ao presenciar um ato de injúria ao Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowski sentiu-se no dever funcional de proteger a instituição a que pertence, acionando a autoridade policial para que apurasse eventual prática de ato ilícito, nos termos da lei."

 

Acioli foi detido ao chegar ao Aeroporto de Brasília e levado à Superintendência da Polícia Federal para prestar esclarecimentos. Ao G1, o advogado disse ter tratado Lewandowski "com o pronome devido", usando "toda a etiqueta necessária". "Fiz uma manifestação, é uma essência da Constituição. É um direito básico", afirmou. O ministro Luís Roberto Barroso também estava no voo.

 

Fonte: G1


Rádio Pelotense - AM 620 KHZ

NO AR

Cotidiano

Ouvir agora

Desenvolvido por:

PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS