O enclave eleitoral mineiro

Candidaturas de Dilma e Aécio em 2018

Imagem da InternetImagem da InternetFoto: Internet

Ao transferir seu domicílio eleitoral para Belo Horizonte, cidade onde nasceu, a ex-presidente Dilma Rousseff deixou mais nítido o quadro sombrio que aguarda os eleitores mineiros – e de todo o País – na eleição de 7 de outubro. 

 

A petista afastada da presidência da República em outubro de 2016 irá concorrer ao Senado por Minas Gerais, estado em que recebeu mais votos que o tucano Aécio Neves no segundo turno da eleição de 2014 e onde espera ter chances de se eleger mesmo após o impeachment. 

 

A escolha de Minas é estratégica para o PT. A terra do inimigo Aécio é o terceiro maior colégio eleitoral do Brasil, com mais de 15 milhões de eleitores. 

 

Lá, Dilma obteve quase 6 milhões de votos (52,41% do total), o que assegurou sua reeleição. Aécio Neves, que avaliou mal suas chances no estado que governou por dois mandatos e do qual saiu com 92% de aprovação, sofreu dupla derrota em 2014, já que o candidato petista ao governo mineiro, Fernando Pimentel, se elegeu ainda no primeiro turno. 

 

Ainda que as candidaturas de Dilma e Aécio em 2018 possam sugerir a ideia de um “terceiro turno” — o que não se concretizará caso o senador prefira concorrer à Câmara dos Deputados — o histórico dos adversários sugere um enclave eleitoral em Minas.

 

Fonte: Isto É


Rádio Pelotense - AM 620 KHZ

NO AR

Programa Super Tarde

Ouvir agora

Desenvolvido por:

PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS