Vítimas de atentado a tiros podem alterar a estatística de homicídios

“O que importa é o início da ocorrência, diz Rafain”

n/d

Na manhã da quarta-feira (17/01), o titular da delegacia de homicídios de Pelotas, Felix Rafain, esclareceu à reportagem da Rádio Pelotense que para a estatística dos homicídios o que vale é o início da ocorrência. Por exemplo, uma pessoa vítima de atentado pode não vir a óbito imediatamente, ou seja, a morte pode ocorrer horas, dias ou meses depois. Sendo assim, esse homicídio será contabilizado a partir da data da agressão sofrida.

 

Em Pelotas, o jovem Everson  Dias Pereira de 26 anos de idade foi baleado em 2017, mas veio a falecer no dia 11 de janeiro de 2018, o que alterou o saldo desse tipo de crime no ano que passou de 108 para 109 mortes violentas.


Rádio Pelotense - AM 620 KHZ

NO AR

Atualidade Esportiva 1° Edição

Ouvir agora

Desenvolvido por:

PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS